Prefeitura Municipal de Santa Lúcia Prefeitura Municipal de Santa Lúcia

História da cidade

Até 1907, só existiam algumas casas de comércio e não era possível desenvolver-se a povoação devido a não haver acordo para a venda de terrenos. Nesse ano, por iniciativa do Sr. Bento de Abreu Sampaio Vidal, os senhores Ângelo Buttignon; Caetano Pescuzzi; Joaquim Carvalho de Oliveira; Cel. José Xavier de Mendonça (filho de Dona Luciana Machado de Campos – proprietária das terras); Capitão José Xavier de Mendonça Filho; João Borba; Andrelino Correa; Cel. Luiz Pinto Ferraz; Capitão Augusto Simões Duarte compraram terras de dona Luciana, e dividiram em lotes e ruas, pelo Dr. Jorge Ramos. E assim nasceu Santa Lúcia. Os primeiros a abrirem fazendas de café, foram Luiz Caetano de Sampaio, Ten Antonio José Batista, Inácio José Batista, Germano Xavier de Mendonça, Luiz Pinto Ferraz (o velho), Joaquim Carvalho de Oliveira, Cândido Mariano Borba, Sebastião Domingues da Silva e Cel. Joaquim Duarte Pinto Ferraz.

Santa Lúcia, nome escolhido em homenagem a sua proprietária Luciana Machado de Campos. Dona Luciana era filha de Francisco Antonio Machado e de Lucrécia Maria do Rosário. Era natural de Minas Gerais e viúva de Germano Xavier de Mendonça. Faleceu no dia 3 de novembro de 1906, na Fazenda Anhumas, sendo sepultada no Cemitério São Bento de Araraquara.

Por não haver no Calendário Religioso, santa com o nome de Luciana, optou-se por Santa Lúcia. Foi fundada em 07/04/1907, com o lançamento da pedra fundamental da atual Igreja Matriz, cuja padroeira é Santa Luzia, rezando missa campal e fazendo a benção, o Vigário de Araraquara Pe. Antonio Cesarino.

Em 19 de dezembro de 1910 a povoação foi elevada a Distrito de Paz, pelo Decreto nº 1227, de 19/12/1910, tendo se emancipado do Município de Araraquara, em 1º de janeiro de 1959, pelas disposições da Lei nº 5285, de 18 de fevereiro de 1959. Para a emancipação foi formada uma comissão para promover a emancipação.

O artigo 39, daquela lei estabeleceu efeito retroativo a 1º de janeiro de 1959. Assim, em outubro daquele ano, foram realizadas eleições para a regular constituição dos poderes Executivo e Legislativo.

Iniciou as atividades municipais no dia 1º de janeiro de 1960, sendo 1º prefeito o Professor Jayme Calvo que administrou o Município de 1º de janeiro de 1960 a 31 de dezembro de 1963. O 1º Vice-Prefeito foi o Sr. Geraldo Marani.

Santa Lúcia foi denominada “Cidade das Palmeiras”, pela Lei nº 135, de 22 de novembro de 1967, devido ao grande número de palmeiras imperiais, plantadas nas principais avenidas da cidade, cujas primeiras mudas foram trazidas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, pelo Sr. Bento de Abreu Sampaio Vidal, proprietário da Usina Maria Isabel (hoje desativada), na Fazenda Alpes.

Dados geográficos

As divisas de Santa Lúcia começam na linha divisória dos municípios de São Carlos e Araraquara, no ponto em que a fazenda de João Carlos Severino divide com a fazenda de Sótero de Arruda Campos, e seguem pelos limites dessas fazendas até o Ribeirão das Cabaceiras, daí continuam em linha reta até o princípio de um valo que serve de divisas entre as fazendas de Manoel Antonio Borba e Cel. José Xavier de Mendonça e por este valo até o córrego que também serve de limite entre as duas fazendas, seguem por esse córrego até sua cabeceira; daí pelo alto do espigão até encontrar as divisas da fazenda Ponte Alta, do Sr. Nicolau Carneiro Leão com a fazenda de Gustavo Berger, seguem essas divisas até encontrarem os limites que separam a fazenda Monte Alto, da fazenda Aliança, continuando até o fim da linha divisória dessas fazendas, e desse ponto, em linha reta até as divisas do município de Rincão, no ponto cortado pela antiga estrada de rodagem de Araraquara a Jaboticabal.

Daí seguem pelas divisas de Rincão, continuando pelas divisas de Ribeirão Preto e São Carlos até o ponto de partida. (extraído do Decreto nº 1227, de 19/12/1910). Limites: Araraquara – oeste; Américo Brasiliense – sul e leste; São Carlos – leste; Rincão – leste e norte. Rios no município: Anhumas; Cabaceiras e Rancho Queimado.

Destaque para o Salto Pirapora, na Fazenda do mesmo nome. Não há áreas inundáveis.

Dista 286 Km da Capital e localiza-se na região central do Estado, Latitude Sul 21º 41’ 07”; Longitude W. Gr. 48º 05’ 30”, distando 15 Km de Araraquara.

Possui clima temperado, com média de temperatura de 21º, solo plano, sem acidentes geográficos de nota, arenoso na parte mais alta, nas encostas dos espigões cultivados, há nítida presença de solo de terra roxa, estando a 689 m acima do nível do mar, com área territorial total de 169,4 km², sendo 3,47 Km², área urbana e 165,93 Km² rural, estando sua economia baseada na cultura da cana de açúcar.

População

População total: 7.856
População urbana: 7.049
Rural: 807
Homens: 4.069
Mulheres: 3.787

Galeria dos prefeitos

Prefeito Vice Prefeito Período de gestão
Jayme Calvo Geraldo Marani 01/01/1960 a 31/12/1963
Isidoro Bítio Neto Olindo Robin 01/01/1964 a 31/01/1969
Alpheu Benedicto de Figueirêdo Oswaldo Margionte 01/02/1969 a 30/01/1973
Geraldo José de Andrade Tanios Zbeidi 31/01/1973 a 31/01/1977
Tanios Zbeidi Roberto Pereira do Prado 01/02/1977 a 31/01/1983
Geraldo José de Andrade José Marcus Benvenuto 01/02/1983 a 31/12/1988
Tanios Zbeidi Orlando Orlandi 01/01/1989 a 15/10/1992
Orlando Orlandi Assumiu p/ falecimento do Prefeito 16/10/1992 a 31/12/1992
Antonio Sérgio Trentim Neuza Ap. de Oliveira Marques 01/01/1993 a 31/12/1996
Antonio Carlos Martins Antonio Élio Parciasepe 01/01/1997 a 31/12/2000
Antonio Sérgio Trentim Otávio Luís Boschi 01/01/2001 a 31/12/2004
Antonio Carlos Abuabud Junior Luiz Antonio Noli 01/01/2005 a 31/12/2008
Antonio Carlos Abuabud Junior Luiz Antonio Noli 01/01/2009 a 31/12/2012
Antônio Sérgio Trentim Cássia Regina Furgieri Domingos Boschi 01/01/2013 a 31/12/2016

https://youtu.be/m91gwVcPDVo